Quem sou eu

Minha foto

"Sou uma Bruxa (palavra com muitos significados na linguagem comum) porque uso as energias da natureza e celebro seus ciclos. Meu convívio com estas forças é forte e harmonioso visto que busco nelas as energias para me nutrir e auxiliar a quem necessitar. Minha grande Catedral é o Cosmos e ali estão todas as crenças, religiões e doutrinas que preciso para a evolução da alma. Ali coloco meu coração e recebo as energias para ser feliz. Como Wicca, meu ritual é feito ao ar livre e tenho o Céu (Cosmos) como cobertura e ali referencio a grande Mãe que somada as energias masculinas do Deus Conífero, formam, a meu ver, o equilíbrio necessário entre as forças Yin e Yang"

Selo de Hécate

Selo de Hécate

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Cultura Obscura & Subcultura





Nos últimos anos, temos visto um grande número de informações sendo divulgadas sobre "góticos", sem critério e conhecimento empírico. Infelizmente, estas informações favoreceram o surgimento de inúmeros mitos e consagraram alguns equívocos, emergindo um inesgotável acervo de rótulos, teorias e denominações, muitas vezes precipitadas e não coerentes, tanto àSubcultura Gótica/Darkwave quanto à Cultura Obscura.
Devido a alguns fatores comuns, a cultura obscura surgida em meados da década de 90, foi associada à subcultura gótica que se consolidou na década de 80. Os adeptos da cultura obscura foram, genericamente, denominados góticos. Partindo deste princípio, aspectos comportamentais e artísticos da cultura obscura foram classificados como "goticismo". Sendo que este termo, originalmente, refere-se apenas à Literatura Gótica. Desse modo, as duas manifestações, subcultura gótica e cultura obscura, que são significantemente distintas, mas também cultivam pontos comuns, foram erroneamente classificadas como uma mesma manifestação.
A associação entre cultura obscura e subcultura gótica, gerou um falso conceito de que a cultura obscura seria uma "evolução" da subcultura gótica. Esta idéia pode ter sido indiretamente fortalecida pela indústria fonográfica especializada e suas distribuidoras, e por revistas que atuam no segmento do Metal, ao difundir o Gothic Metal, um dos gêneros musicais mais consumidos na cultura obscura.
O rótulo Gothic Metal faz pressupor que este seria um "novo estilo que fez ressuscitar a extinta subcultura gótica". Mas é preciso salientar que a subcultura gótica nunca se extinguiu; pelo contrário, mantém-se ativa e renovada desde sua origem nos anos 80. Portanto, em hipótese alguma, a cultura obscura é, nem pode ser considerada, uma evolução ou um aprimoramento da subcultura gótica.
O termo Gótico
Originalmente, o termo gótico significa apenas relativo a Godos ou proveniente deles. Porém, é notório que o termo é utilizado, pelo menos, desde o século XV, para designar algo que não possui relação com seu significado primitivo. Como exemplo, no período da Renascença, o termo foi utilizado para referir-se, de forma depreciativa, à arte escolástica medieval, classificando-a como "arte gótica". Ainda, gótico classificou um subgênero literário surgido no século XVIII que remetia à Idade Média sob uma visão sombria. Recentemente, a partir da década de 1980, passou a denominar a subcultura que emergia naquele momento.
Neste caso, o termo Gótico é aplicado como "sinônimo" de imaginativoirracional"que ousa penetrar nas trevas da mente e terrível condição humana". O termo divulgado pela mídia e adotado por algumas bandas prevalece a partir de 1983/84.
Por outro lado, o termo gótico, se aplicado à cultura obscura e seus adeptos, pode fazer sentido se considerado que o mesmo foi utilizado, no século XVIII, para classificar a Literatura (gótica), como sinônimo de obscuro ou medieval, sendo estas características muito presentes na cultura obscura. Portanto, neste caso, gótico é utilizado com um significado já existente, e aplicado numa outra situação.
Atualmente, o conceito brasileiro do significado do termo gótico, quando aplicado à subcultura, é muito amplo. Alguns consideraram gótico, boa parte do que foi produzido musicalmente a partir de meados da década de 1980. Ainda, considerando o termo gótico, quando aplicado à cultura obscura e seus adeptos, este conceito amplia-se mais.
Temas & Abordagens
O que define uma determinada corrente artística, filosófica ou sócio-comportamental, por exemplo, não são apenas os temas adotados, mas principalmente a abordagem, ou seja, a forma como estes temas são trabalhados, interpretados e expostos. Este conceito também pode ser usado para definir com mais clareza algumas diferenças entre subcultura gótica/darkwave e cultura obscura. Muitas vezes, ambas abordam temas comuns sob perspectivas distintas.
A expressão artística da subcultura gótica, não se baseia em temas específicos, mas principalmente, em uma abordagem própria. Já a cultura obscura faz uso de uma variedade menor de temas. Porém, para a produção artística da cultura obscura, os temas são, proporcionalmente, mais significativos do que na subcultura gótica; e as abordagens são feitas, geralmente, através de uma perspectiva romântica.
Por exemplo, quando abordamos determinados temas comuns, a subcultura gótica pode interpretá-los através de uma perspectiva vanguardista. Por outro lado, a cultura obscura os interpreta sob um ponto de vista romântico. A banda inglesa Joy Division pode ser citada como um exemplo simplificado. Na cultura obscura, Joy Division é valorizado principalmente pela atmosfera soturna de suas músicas; além do "mito romântico" que Ian Curtis tornou-se após o suicídio. Na subcultura gótica, estes fatores não são tão significativos, abordando principalmente, a música da banda no seu contexto histórico e suas referências. Em outro exemplo, agora literário, Allan Poe é valorizado, principalmente, como poeta e contista, quando abordado na cultura obscura. No contexto da subcultura gótica, é apreciado pelo conjunto de sua obra em todas as fases; não apenas pela sua fase romântica.
Em síntese: Subcultura Gótica/Darkwave
A subcultura gótica é um movimento sócio-cultural envolvido num contexto artístico e comportamental, que abrange manifestações artísticas como a música, literatura, cinema, artes plásticas e vestuário (moda), entre outras expressões. Estes elementos atuam de modo a intensificar e multiplicar os outros componentes.
A origem da subcultura gótica ocorreu nos primeiros anos da década de 1980. Porém, suas influências primitivas encontram-se no movimento romântico do século XIX. Ainda, inclui elementos do Modernismo do século XX, como o Impressionismo, Expressionismo, Surrealismo e Cabaret Culture. Mas a denominada Geração Beatnick é a influência mais recente e significativa da subcultura gótica, tendo seu surgimento aproximadamente a partir de 1950, e sendo baseada na moderna boemia francesa, com um forte apelo artístico/filosófico.
Musicalmente, a subcultura gótica traz bandas "clássicas" como Joy DivisionBauhausThe Sisters of MercySiouxsie and The BansheesAlien Sex Fiend entre outros do período oitentista. Na década de 90, artistas como London After MidnightFaith and Muse e Clan of Xymox deram continuidade no constante processo de renovação da subcultura. Há ainda uma variação de estilos que surgem, ou são abrigados no universo da subcultura, como o Dark Ambient.
Deste modo, fica claro que a subcultura possui bases sólidas e nítidas em sua origem e desenvolvimento, e continua sendo cultivada, ampliando-se em todas as partes do mundo. Compondo, assim, um constante processo de renovação há mais de duas décadas.
Em síntese: Cultura Obscura
A Cultura Obscura caracteriza-se por valores individuais. Neste caso, aborda-se personalidades que convergem em aspectos comportamentais semelhantes e tendem a buscar expressões artísticas identificáveis com a própria personalidade.
Assim, na cultura obscura e, conseqüentemente, entre seus adeptos, é possível determinar alguns elementos comuns, como a valorização e contemplação das diversas manifestações artísticas. Além de uma perspectiva poética e subjetiva sobre a própria existência; uma visão positiva sobre solidão, melancolia e tristeza; introspecção, medievalismo, entre outros. Essas e outras características podem ser associadas a alguns elementos comuns ao romantismo do século XVIII. Por outro lado, a cultura obscura também pode abrigar aspectos que sugerem um "contramovimento social", embora não haja uma apologia social ou política.
Não há um ponto de partida específico para designar a origem da cultura obscura. Mas, pode-se supor, que tenha surgido na segunda metade da década de 90, como um "derivado" da subcultura gótica, reunindo indiretamente e intensificando seus elementos românticos.
Ao abordar as manifestações artísticas reunidas pela cultura obscura, encontra-se elementos aparentemente díspares, mas que, mesmo não sendo consumidos por todos os seus adeptos, também não são rejeitados.
Nesse contexto, na música, podemos citar estilos derivados do Metal, como o Gothic Metal, Doom Metal e Metal Sinfônico, por exemplo. Mas há ainda outros estilos como o Ethereal (Dark Ambient) e uma parcela do que foi denominado pós-punk. A literatura abriga autores do ultra-romantismo e do Romantismo de uma forma geral. Ainda, escritores (poetas e contistas) da Literatura Gótica, como Byron e Allan Poe.
Não há necessariamente uma interação entre os adeptos da cultura obscura, pois não se caracteriza como um grupo (coletividade) ou uma "tribo urbana", mas apenas um conjunto de indivíduos que se identificam com determinados aspectos comportamentais e artísticos.
Há alguns pontos comuns; mas há também grandes diferenças entre cultura obscura e subcultura gótica. A "área de intersecção" é muito sutil. Porém, ambas são manifestações autênticas que consolidaram uma identidade ao longo do tempo.
Blessed Be!
Bruxa Wakanda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blessed Be!