Quem sou eu

Minha foto

"Sou uma Bruxa (palavra com muitos significados na linguagem comum) porque uso as energias da natureza e celebro seus ciclos. Meu convívio com estas forças é forte e harmonioso visto que busco nelas as energias para me nutrir e auxiliar a quem necessitar. Minha grande Catedral é o Cosmos e ali estão todas as crenças, religiões e doutrinas que preciso para a evolução da alma. Ali coloco meu coração e recebo as energias para ser feliz. Como Wicca, meu ritual é feito ao ar livre e tenho o Céu (Cosmos) como cobertura e ali referencio a grande Mãe que somada as energias masculinas do Deus Conífero, formam, a meu ver, o equilíbrio necessário entre as forças Yin e Yang"

Selo de Hécate

Selo de Hécate

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Crenças, um termo comum e ao mesmo tempo estranho para religiões pagãs.

Quando falamos de crenças, pela influência Cristã, pensamos que crer A Lei e o compromisso sacerdotal.


Apesar da grande sacerdotisa Doreen Valiente, ter dito que desconhecia o real significado dado por Gardner a esta lei, indicando inclusive que ele usou a expressão em um momento específico de um RITUAL e que ela não concebia uma lei que fosse exclusiva para bruxos, há não só uma interpretação como uma ação que permite ao individuo submeter-se a esta lei com exclusividade, dando a ela outro enfoque que não somente a responsabilidade por suas ações, mas um mecanismo de ampliação de suas capacidades mágicas e pessoais além de um maior compromisso e responsabilidade quanto às crenças Wiccanas. Não entendeu nada? Vou explicar.

Quando caminhamos rumo a uma iniciação não apenas desenvolvemos nossas habilidades mágicas e percepções como nos desfazemos de muitas crenças, manias, desejos e características. Permitimos que nossas máscaras caiam ou sejam arrancadas, testamos nosso empenho e vivenciamos momentos que vão do desespero ao êxtase. Tudo pelo que passamos tem como objetivo nos preparar para o seriíssimo compromisso de nos tornamos sacerdotes.

Neste momento, onde alcançamos maturidade nas práticas e capacidade pessoal, quando nossas crenças estão enraizadas, nossos objetivos bem desenvolvidos e, grande parte de nossas dúvidas existenciais sanadas, assumimos para a nossa vida a manutenção de um culto ancestral e o compromisso de nos tornamos um elo entre este mundo e o mundo além.

Assim sendo magicamente existe a possibilidade e como sacerdotes, estamos preparados para nos submetermos a diferentes “leis” ou “enredos energéticos” onde estipulamos ações mágicas que podem agir ao longo de nossa vida. Cada caminho/tradição possui seus mecanismos, egrégoras e afins que favorecerão ou limitarão seus sacerdotes de acordo com suas regras estruturais.

A Lei tríplice pode tranquilamente fazer parte disto e normalmente faz por isso o nome bonitinho. Ao determinar para ela a função de agir na vida do sacerdote como um ampliador de suas ações e logicamente das conseqüências, o sacerdote com exclusividade dará a então comum lei do retorno outro significado, outra função inserida magicamente por sua vontade e compromisso.

Deste modo quando o sacerdote trabalhar em prol de um objetivo qualquer, ele possuirá a capacidade de ampliar seu poder seja por três, por vinte ou por mil através dessa “lei”, e com isso ele terá condições de obter melhores resultados atentando-se claro a sua responsabilidade e capacidade pessoal de lidar com as conseqüências dessas ações ampliadas.

Gerei mais dúvidas ou consegui dar um direcionamento melhor na compreensão da lei? Vamos unir agora as duas interpretações? Segueem algo signifique apenas “acreditar na existência” ou “ter fé na existência”, sem a necessidade de se provar tal fato.

Com isso, muitas pessoas quando lêem sobre os DEUSES pagãos, ou sobre os ELEMENTAIS , indagam sobre como podemos acreditar (crer) em tais seres, já que eles aparentam ser tão fantasiosos em virtude de suas mitologias e lendas.

O que poucos compreendem é que nossos DEUSES não são invisíveis ou intocáveis, pelo contrário, eles estão presentes em cada uma de nossas ações e sensações, conversamos com eles e ouvimos (sim, ouvimos) suas respostas, em nossos ritos não apenas sentimos suas presenças em razão da fé, mas os vemos, lidamos com eles, recebemos mensagens, broncas, e deliciosos momentos de interação onde sentimos sua presença por completo, tanto externamente quanto internamente.

Logo, você que deseja conhecer as “crenças” Wiccanas, fique atento(a), nós só acreditamos naquilo que vive e é sentido dentro e fora de nós, que interage conosco em todos os campos e momentos de nossas vidas, nada do que vai ler abaixo é apenas uma lenda, ou uma forma diferente de ver as coisas, é a verdadeira forma como cada WICCANO trabalha sua religiosidade, e eles não acreditam que seja verdade, eles SABEM que é verdade.

"Família Old Religion"

Abaixo, segue uma lista de explicações sobre os diferentes modelos de crença das religiosidades pagãs, sendo a maioria relacionados à WICCA ou com ênfase na visão Wiccan para cada tema:

Lei Tríplice:

A Lei e o compromisso sacerdotal.

Apesar da grande sacerdotisa Doreen Valiente, ter dito que desconhecia o real significado dado por Gardner a esta lei, indicando inclusive que ele usou a expressão em um momento específico de um RITUAL e que ela não concebia uma lei que fosse exclusiva para bruxos, há não só uma interpretação como uma ação que permite ao individuo submeter-se a esta lei com exclusividade, dando a ela outro enfoque que não somente a responsabilidade por suas ações, mas um mecanismo de ampliação de suas capacidades mágicas e pessoais além de um maior compromisso e responsabilidade quanto às crenças Wiccanas. Não entendeu nada? Vou explicar.

Quando caminhamos rumo a uma iniciação não apenas desenvolvemos nossas habilidades mágicas e percepções como nos desfazemos de muitas crenças, manias, desejos e características. Permitimos que nossas máscaras caiam ou sejam arrancadas, testamos nosso empenho e vivenciamos momentos que vão do desespero ao êxtase. Tudo pelo que passamos tem como objetivo nos preparar para o seriíssimo compromisso de nos tornamos sacerdotes.

Neste momento, onde alcançamos maturidade nas práticas e capacidade pessoal, quando nossas crenças estão enraizadas, nossos objetivos bem desenvolvidos e, grande parte de nossas dúvidas existenciais sanadas, assumimos para a nossa vida a manutenção de um culto ancestral e o compromisso de nos tornamos um elo entre este mundo e o mundo além.

Assim sendo magicamente existe a possibilidade e como sacerdotes, estamos preparados para nos submetermos a diferentes “leis” ou “enredos energéticos” onde estipulamos ações mágicas que podem agir ao longo de nossa vida. Cada caminho/tradição possui seus mecanismos, egrégoras e afins que favorecerão ou limitarão seus sacerdotes de acordo com suas regras estruturais.

A Lei tríplice pode tranquilamente fazer parte disto e normalmente faz por isso o nome bonitinho. Ao determinar para ela a função de agir na vida do sacerdote como um ampliador de suas ações e logicamente das conseqüências, o sacerdote com exclusividade dará a então comum lei do retorno outro significado, outra função inserida magicamente por sua vontade e compromisso.

Deste modo quando o sacerdote trabalhar em prol de um objetivo qualquer, ele possuirá a capacidade de ampliar seu poder seja por três, por vinte ou por mil através dessa “lei”, e com isso ele terá condições de obter melhores resultados atentando-se claro a sua responsabilidade e capacidade pessoal de lidar com as conseqüências dessas ações ampliadas.

Gerei mais dúvidas ou consegui dar um direcionamento melhor na compreensão da lei? Vamos unir agora as duas interpretações? Segue.

Esse artigo visa esclarecer da melhor forma possível esta Lei abordando suas interpretações comuns e principalmente transmitindo um pouco do conhecimento pessoal absorvido ao longo dos anos. Se você está começando a estudar a WICCA agora, talvez tenha ainda um pouco de dificuldade para compreender certos termos utilizados ao longo do texto, não desanime, pesquise um pouco ou me envie um e-mail com quaisquer dúvidas e lhe ajudarei.

Diz-se da lei: “Tudo aquilo que fizer retornará a você nesta vida triplicado por três”.

Esta lei vem sendo debatida há muitos anos na comunidade Wiccana, principalmente porque com o crescimento desordenado da religião muitos grupos foram atribuindo aleatoriamente significados e interpretações distintas a lei, tornando-a ora muito lógica ora absurda. Existem duas interpretações que se complementam que são para mim um ponto chave para compreender a lei, vou comentar cada uma abaixo.

A Lei e sua simbologia.

O número três possui um significado simbólico ligado aos processos primários da vida onde todo ciclo começa, se desenvolve e termina. Dentre as trindades mais comuns temos: Físico-Mental-Espiritual; Jovem-Mãe-Anciã; Criança da promessa-Caçador-Senhor da morte; Renascimento-vida-morte; Terra-Céu-Mar; Positivo-Neutro-Negativo; e etc.

Muitas culturas e religiões enxergam neste número um poder ligado à criação e manutenção da vida, aqui vou chamá-lo de “mistério da triplicidade”. Você pode percebê-lo ao estudar a mitologia e liturgia de algumas religiões, como, por exemplo: Os mitos de Ísis, Osíris e Hórus, ou então os de Deméter, Hades e Perséfone e talvez caso você venha de uma cultura cristã seja mais fácil enxergar este mistério analisando a trindade Deus Pai, Espírito Santo e Jesus, mesmo que essa trindade não corresponda ao PAGANISMO , a idéia central cristã mostra a triplicidade ligada a geração da vida assim como nos ensinamentos pagãos.

Eu não sei até que ponto Gerald Gardner ao transmitir seus ensinamentos sobre a lei tríplice de fato a focou neste mistério, todavia creio que sendo quem era não me admira que ele tenha inventado este termo com tal intuito. Partindo disto tal lei torna-se não apenas uma chamada a nossa consciência quanto à responsabilidade que precisamos ter sobre nossos atos, mas também é um ponto de reflexão sobre a influência de nossas ações nos ciclos da vida.

Na WICCA aprendemos que a liberdade é importantíssima para o nosso desenvolvimento, quando falamos em leis alguns não compreendem e por algum motivo consideram essas regras castradoras de suas liberdades, com isso as negligenciam e/ou deturpam. Agir assim, ao menos pra mim, demonstra falta de maturidade e profundidade no estudo e vivencia da fé Wiccana. Digo isto por que ao compreender as leis que regem o universo e os mistérios que envolvem nosso ‘poder bruxo’ agir corretamente perante essas elas tende a nos libertar cada vez mais dando-nos ainda mais poder de ação, seja na magia seja no culto.

A lei tríplice, portanto, equivale à universal “lei do retorno” ou “lei da causa e efeito” onde nossas ações sempre geram reações. Porém nessas leis o retorno é equivalente, não existe nenhum mecanismo que propicie uma ampliação desse retorno como a lei tríplice supõe. Então como a compreender? Por que é dito que o retorno se dará triplamente? Uma interpretação inicial diz que ao levar em conta a simbologia do número três esse retorno é triplo porque pode e invariavelmente vai nos atingir em diferentes graus. Ou seja, pode nos atingir quando formosJOVENS , maduros ou velhos, pode nos atingir no físico, no emocional ou no ESPIRITUAL (ou nos três casos) e assim sucessivamente, enfim, nos atingirá de alguma forma na totalidade de possibilidades.

Nisto outras leis/crenças Wiccanas surgem e agem paralelamente a lei tríplice como a crença da Grande Teia/Rede. Mas será que acaba por ai? Será que a lei tríplice é apenas uma forma bonita de dizer que o retorno se dá em diferentes graus e possibilidades? Pra mim não, isso é só o começo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blessed Be!