Quem sou eu

Minha foto

"Sou uma Bruxa (palavra com muitos significados na linguagem comum) porque uso as energias da natureza e celebro seus ciclos. Meu convívio com estas forças é forte e harmonioso visto que busco nelas as energias para me nutrir e auxiliar a quem necessitar. Minha grande Catedral é o Cosmos e ali estão todas as crenças, religiões e doutrinas que preciso para a evolução da alma. Ali coloco meu coração e recebo as energias para ser feliz. Como Wicca, meu ritual é feito ao ar livre e tenho o Céu (Cosmos) como cobertura e ali referencio a grande Mãe que somada as energias masculinas do Deus Conífero, formam, a meu ver, o equilíbrio necessário entre as forças Yin e Yang"

Selo de Hécate

Selo de Hécate

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

SOM/CANÇÃO DE PODER

Segundo muitas tradições, os sons e a música possuem um profundo efeito psicofísico.flashback-dgomez300px.jpg
Segundo muitas tradições, os sons e a música possuem um profundo efeito psicofísico. Certos tons podem curar ou lesionar corpos humanos. Os hindus atribuem certos tons aos chackras, que lhes ´dá acesso a poderes ocultos (mantrans)

Os cânticos acompanham toda a história das religiões. Os cantos Zen Budistas, Cantos Gregorianos, Salmos, Pontos de Umbanda e Candomblé, , canções evangélicas, etc.

No caso específico do xamanismo, as canções de poder, acompanham as cerimônias para evocar espíritos guardiãos, espíritos de cura, para intensificar a energia, para alterar a consciência, permitir a mente livre de pensamentos indesejáveis, para proporcionar visões.

O ritmo também pode transportar o xamã de volta ao seu espaço sagrado . Todo xamã possui sua canção de poder para despertar seu animal e espíritos auxiliares. O ritmo e as palavras estabelecem uma comunicação com o sagrado, libertando, de forma espontânea, a energia para curar e elevar a consciência.

A canção de poder não é composta e sim canalizada, é um fenômeno de liberação psíquica, mediúnica. As canções de poder podem trazer felicidade e bem estar, entendimento e relexão, cura e transe. Elas podem ser curtas e repetitivas, como grandes e melodiosas.

No Perú os xamãs associam os trabalhos xamânicos com os ícaros, ou canções mágicas, para evocar o espírito de uma planta de poder, para viajar por mundos invisíveis, curar, trazer proteção.

Nos rituais do Santo Daime, não é raro que seus práticantes recebam hinos, que são versos musicados, captados de origem divina. Na União do Vegetal, que também se utiliza da bebida sacramental Ayahuasca, os mestres entoam as chamadas. No Rig Veda, os sacerdotes em estado de transe provocados pela bebida Soma também captavam hinos. Na barquinha pontos e Salmos. Os indios brasileiros, norte-americanos, aborígines australianos, esquimós, africanos, siberianos, enfim, as canções sagradas estão presentes em todo o Universo Xamânico.

Compartilho uma pesquisa de alguns materiais que traduzi:

Os sons sagrados das diferentes tradições podem variar extremamente em seu uso das freqüências. Estas tradições usam frequentemente escalas e tonalidades muito diferentes das que estamos acostumados e nós podemos achar estes sons extremamente bizarros, fora do tom e completamente desarmoniosos. Isto é, até nós abrirmos verdadeiramente nossos ouvidos e nossos corações ao que é realmente

Quando os ocidentais visitaram primeiramente África, relataram que os africanos amavam cantavam e dançavam, mas suas músicas não tinham nenhum sentido.

Nós podemos ouvir Ragas hindus, a música tibetana, canções de Bali pela primeira vez e sentir os sons como não musicais. Entretanto, uma vez que nós passamos da resposta inicial, podemos perceber que estes sons sagrados têm efeitos extremamente transformadores

O Dr. Alfred Tomatis, um médico francês, levou muitos anos pesquisando os sons sagrados do mundo. Pesquisou em detalhes muitas canção sagradas, incluindo os cantos gregorianos e tibetanos e percebeu que eles são ricos em sons de alta frequência, chamados harmônicos ou hipertons. Ele acredita que estes sons carregam o cortex do cérebro e estimulam a saúde e o bem estar.

Os harmônicos ou hipertons, são geométricamente relacionados e ocorrem sempre que um som natural é criado.

Os harmonicos são os sons dentro de todos os sons, responsáveis pela cor ou o "timbre" do tom de um instrumento e de nossas vozes. A matemática dos princípios universais da exposição dos harmonicos que correspondem a uma estrutura subjacente encontrou na química, na astronomia, na física, e no estudo de outras ciências.O conhecimento e a compreensão destes sons parecem ser antigos, datando na época de Pitágoras, ou antes ainda.

img

O uso dos harmonicos como sons sagrados pode ser encontrado nas tradições xamânicas e místicas, particularmente budismo tibetano e cantos mongois, siberianos. Nestes casos os cantores desenvolveram a habilidade de criar hipertons ou harmônicos vocais múltiplos, cantando duas ou mais notas simultaneamente. Estes sons foram usados por cantores como meio de invocar deidades e forças diferentes de energia para equilibras os chakras

Escutar as canções de monges tibetanos pode ser uma experiência transcendente. Os monges utilizam uma frequência fundamental, profunda, parecem quase inumanos, são como um rosnado de um animal selvagem. É acoplada com este tom uma voz muito mais elevada que soa como a um anjo cantando na harmonia.

Estes dois sons vêm de mesmo ser, um Monge tibetano, e são o resultado de práticas sagradas. A criação dos harmonicos é baseada em sons de vogais.

Cantar o alongamento destes sons vogais são encontrados na maioria das canções principais do mundo, dos mantras hindus e tibetanos, às práticas de sufis e cabalísticas.

Por exemplo nós temos "Oooooommm" e "Aaaaameen," Aaaaallaaah, "e" Yaaaah Waaaay." Através desta formulário de entonação ocorre uma extraordinária ressonância no corpo físico e no cérebro.Quando o cantor destes sons focaliza uma intenção de se fundir com o som sagrado, os resultados são extraordinários.

img

Nas tradições aborigenes australianas, os sons sagrados são produzidos por um instrumento chamado didjeridu, uma espécie de fautas que parecem troncos ôcos

Quando é tocado, usando uma técnica chamada a "circular que respira" (que permite a criação de um córrego de ar contínuo e conseqüentemente de um som contínuo), o resultado é um único tom, muito profundo e extremamente rico em harmonicos.

Aqueles que ouviram este som pode o ter encontrado muito similar "na voz profunda tibetana," que é também muito profunda com hipertons distintos. E o mais interessante que estes dois sons muito similares foram criados por duas civilizações muito distintas, separadas por milhares de milhas.

Poderia ter sido, como suas lendas indicam, que os primeiros criadores humanos destes sons, os ouviram primeiramente no estado original e tentaram então os criar no corpo físico, um usando a voz enquanto o outro usava um instrumento.

Cantando um som sagrado acoplado com a intenção de invocar seres ou energias pode-se criar o que o cientista britânico Rupert Sheldrake chamou campos "morficos". Estes são os campos da energia que causam a forma e a dão forma para ocorrer.

Em muitas das tradições soando sagrado, ou recitando o nome de uma entidade trará eventualmente essa entidade e permitirá que una-se com ele. Muitas vezes a recitação destes nomes sagrados é chamada "mantras" . Entretanto, esta prática é baseada em uma compreensão antiga do som sagrado.

SONS SAGRADOS

Em muitos dos mitos da criação, o Deus ou os Deuses do Criador pensavam em algo e entoavam então seu nome. Visualizava primeiramente o objeto da criação para criar, colocando a intenção em cima dele. Então vocalizava o som do objeto, criando sua freqüência e o materializava.

img
Um exemplo disto é " Om Mani Padme hum ," uma invocação ao Avalokitesvara, o Buddha da compaixão divina. Quando acoplado com a intenção e visualização de invocar este ser, a vocalização desta canção terá o resultado de produzir um campo de compaixão.

Os tibetanos utilizam (é extremamente poderoso!) visualizações específicas das entidades que são denominadas "mandalas."

Estão no Sufismo, no cristianismo, nos judeus, ou incontáveis outras tradições, incluindo as tradições xamânicas. Este soar dos nomes sagrados são utilizadas como uma prática profundamente espiritual de invocar o divino.

Quando nós escutamos a gravação deste tipo de som, se nós estivermos abertos o bastante para contornar o desconhecimento da língua, do tom, ou da freqüência, se ouvimos com a intenção correta, poderemos experimentar resultados transformadores.

img

Geralmente, são lentos e repetitivos, criando um fenômeno no qual as ondas de cérebro ressoem com as ondas emitidas pelo cantor. Assim, provoca estados alterados - retardando nossas ondas cerebrais. O som sagrado nos alinha com freqüências alfa ou teta, 7 a 12 hertz, e 4 a 7 hertz, respectivamente. Muitos sons ambientais parecem ressoar neste espectro e particularmente a uma freqüência chamada ressonancia de Schumann, 7,83 hertz, que podem ser a freqüência do planeta. Os sons ambientais podem estar entre os mais sagrados do planeta, porque são o sons da terra. O som do oceano, dos pássaros , ou das baleias, relaxam-nos por duas razões. Primeiramente,pelo que a vizualização evoca em nós. Em segundo pelo o que críam dentro de nós. Nós respiramos com os sons. Nossos corações batem com esses sons. Nossos cérebros cantam com esses sons.

img

Muitos dos ritmos sagrados de determinadas culturas, particularmente do americano nativo, empregam em seu centro uma batida do coração. Nossas batida do coração, respiração, e ondas dcerebrais retardam devido aos ritmos repetitivos . Entretanto, um outro método de criar estados alterados e de transformação ultrapassa o cérebro e leva-nos para um estado de transe, tais como a música sagrada da África, de Bali, e de outras culturas.

A descarga psíquica que ocorre pode energizar-nos ao ponto de parecer ser a perda do controle.

Esta mesma resposta de freqüência pode às vezes ser andar numa rua aglomerada e ruidosa da cidade, mas o efeito devido à intenção pode ser muito, muito diferente. Uma experiência pode proporcionar um estado celestial devido ao sagrado dos dons, enquanto outra pode causar-nos à sensação de estarmos no inferno de Dante.

A diferença entre os dois efeitos dos sons descritos acima (os ritmos sagrados X a rua da cidade ) faz perceber a diferença entre o sagrado e o mundano. Com da compreensão do som sagrado como um veículo para fundir e tornar-se com o divino, nós podemos verdadeiramente criar as energias transformadoras que beneficiarão o planeta.

PRINCÍPIO SAGRADO DO RITMO

Extraido de um texto do músico e autor Ted Andrews - livro Sons Sagrados - Mandarim

img

Há muito tempo o ritmo faz parte das curas e rituais religiosos. No passado, algumas marcações mais específicas vinham associadas a doutrinas, experiências sobrenaturais e alterações psicológicas. Os instrumentos de percussão servem para despertar a emoção e a conscientização interior. As práticas xamanistas usam o tambor para alterar o estado de consciência e levar ao transe espiritual. Os fieis se concentram no ritmo e acompanham a batida como se fizessem uma viagem mítica interior, buscando alcançar níveis de consciência que em geral são inacessíveis. No xamanismo, o tambor estabelece um tipo de ponte que leva o xamã a entrar em contato com um estado mágico de consciência.

Na prática do curandeirismo, o ritmo (seja o de tambores, chocalhos, sinos ou gongos) pode energizar ou estimular as energias primitivas do homem. Ativam o baço e os chakras básicos do corpo, usando principalmente os instrumentos de percussão. Esses centros estão ligados às funções do sistema circulatório, às glândulas supra-renais e às forças essenciais da vida, que são os centros da sexualidade - expressão física da dinâmica vitalidade espiritual.

O voduísmo (religião do Haiti) não procura disfarçar ou encobrir o uso de tambores no estímulo de determinadas energias. Seus rituais são usados para bloquear a mente racional, ativar a energia sexual e induzir ao transe. A batida incessante do tambor leva a uma ressonância forçada com a energia.

Os ritmos estimulam a energia física. A percussão pode ser um meio de aumentar o fluxo sanguíneo do corpo, acelerar ou diminuir o batimento cardíaco e afetar os órgãos ligados ao coração. portanto, seria impossível pensar num antigo xamã, curandeiro ou feiticeiro sem um tambor ou qualquer outro instrumento de percussão. dependendo do sincopado, marcações ou pausas rítmicas, conseguiam atingir certos estados psicológicos. Nas lendas xamanistas os tambores são usados para estabelecer sintonia entre a audiência e a freqüência energética da história.

img

O chocalho, como o tambor, faz parte da família de percussão e é um dos mais antigos instrumentos de curandeirismo.

Infelizmente seu poder curativo é quase sempre ignorado, sendo usado somente pelos interessados no xamanismo ou nas feitiçarias indígenas. Em relação à cura, ele tem uma versatilidade que outros instrumentos não têm. Além de, por seu tamanho ser ´fácil de transportar.

As marcações do chocalho têm a capacidade de ligar a consciência ativa à energia cósmica ou a níveis mais profundos de consciência. Os níveis externos de consciência servem para liberar energia e poder no processo de cura e purificação. o chocalho é um instrumento purificador.

Somos um sistema energético bioquímico/eletromagnético. Nossos pensamentos e emoções levam a várias freqüências de estímulos eletromagnéticos que interagem com os bioquímicos.

Pensamentos e emoções negativas estabelecem padrões rígidos de energia dentro dos campos da aura (assemelham-se a imagens congeladas na televisão com pouca difusão. Esses padrões são desvios de nossa verdadeira freqüência energética.

Se estivermos num ambiente onde as emoções e os pensamentos negativos predominarem - venham ou não de nós - essas vibrações irão se impor ao campo energético pessoal de todos, levando uns a entrarem em sintonia com os outros. Se ignorados ou se acumulados, desvirtuam o fluxo básico da vida tornando o homem mais suscetível às doenças. As energias negativas em geral se armazenam no corpo etéreo (o campo energético eletromagnético mais próximo ao corpo) e nos chakras. Se não houver uma limpeza permanente desses resíduos energéticos negativos e estáticos, toda a energia do organismo físico vai se contaminar.

img

O corpo etérico é filtro do físico, e os chakras mediam todas as energias que fluem para dentro e para fora do organismo. É fundamental manter esses filtros limpos. Diariamente entramos em contato com uma quantidade enorme de resíduos energéticos que, sintonizados com nossa própria energia, alojam-se ali. O processo é o mesmo das torneiras que acumulam minerais e sedimentos em seus canos, impedindo a água de fluir livremente. o mesmo acontece com nossa aura, que pode ficar obstruída por excesso de refugos energéticos. O chocalho é um instrumento rítmico que libera qualquer resíduo alojado nos filtros e canais naturais do corpo. Ele desprende energia negativa, para que o sistema energético, físico e sutil sejam purificados.

A técnica é simples. Agita-se o chocalho em volta do corpo todo. Seu compasso servirá para desprender energia estocada e acumulada no corpo etéreo. Então passa-se a agitá-lo de cima para baixo, da cabeça aos pés, seguindo o meridiano central, tanto pela frente do corpo como pelas costas. esse processo libera os resíduos acumulados ao redor e dentro dos chakras. Alguns curandeiros fazem um tratamento extra agitando-o em cada chakra, pois são os lugares onde existe um grau mais intenso de atividade eletromagnética, com maior propensão a acumular resíduos energéticos.

O chocalho é usado de muitas formas, dependendo da tradição religiosa e da doença. Apesar de suas inúmeras variações, existem algumas regras universais comuns que devem ser seguidas.

O instrumento precisa circundar todo o corpo, para ajudar a desprender as energias negativas alojadas no corpo etérico.

Depois, agitando o chocalho, percorre-se o corpo de cima a baixo para desprender a energia alojada nos chakras. Assim o praticante - por intermédio de outros meios - consegue purificá-los.

PODER DOS SONS

img
Na Rússia o cantar do khoomei foi documentado e gravado por musicoterapeutas Ocidentais.

Acompanhadas também por um escudo, sinos, um tambor, e um chocalho. A física do khoomei não é compreendida ainda completamente, mas seus princípios básicos são sabidos. A maioria de sons naturais são compostos de um tom baixo (fundamental) mais muitos mais tons mais elevados (harmonicos). Nossos ouvidos no fundamento e no tom que nossa mente atribui ao som. Os harmonicos o '' mais puro dos sons (por exemplo, uma flauta não produz muitos tons harmonicos), faz o `` sadio mais saudável. '' A voz humana é notoriamente rica de harmonicos.

Dividindo a boca em duas cavidades e ajustando os tons resonantes, o cantor do khoomei pode suprimir o fundamento e amplificar um ou dois harmonicos de modo que nossa mente começa a os registar como tons separados melhor que como um tom complexo.

img

Khoomei é praticado também por Mongois e uma técnica similar, hipertom, é cultivada por monges tibetanos Gyuto. Os grupos Neo-tradicionais como Huun-Huur-Tuu estão estimulando o interesse na técnica em outras partes do mundo. Como um coro das mulheres da Bulgária, cuja a técnica vocal também é completamente distinta).

O festival internacional anual de Khoomei começou em Kyzyl em 1994, e Sapporo, Japão. Uma sociedade devotada a cantar khoomei. Mesmo Hollywood tem aderido, usando o Tuva em tapes para uma película sobre Geronimo.

Sem nenhuma dúvida, entretanto, o melhor khoomei ainda é executado e apreciado pelo andarilho solitário, que cantra sobre os campos, sob as constelações, lentamente girando, cantando nas florestas selvagens de Ezirlyyg, na grama após uma chuva rara, na beleza das longas saias que agitam no vento ou montando sua égua através do estepe.

A doença é uma desarmonia vibracional dentro do corpo. A resonancia dos harmonicos vocais pode restaurar a harmonia no corpo.

Os xamãs costumam ter suas canções de poder, que são enviadas pelos espíritos guardiães, auxiliares, entidades da natureza, divindades. São entoados para evocar poder, usados em cerimônias, rituais de cura, situações difíceis,etc. Dentro dessa medicina podemos incluir mantras, hinos, ícaros,cantos tibetanos, cantos gregorianos, salmos, etc. É uma forma elevada de prece.

Já diz o ditado : Quem canta seus males espanta. Eles não são compostos, são cana. Os xamãs da Mongólia aprenderam a cantar os seus harmônicos ouvindo uma cascata.

Do ponto de vista fisiológico, os harmônicos vocais, criam mudanças no batimento cardíaco, na respiração, e nas ondas cerebrais da pessoa que os entoa, alterando a consciência e fazendo com que o Xamã se ponha em um estado no qual se torna receptivo a viagens espirituais. Pode ser que certas porções do cérebro ressoem e sejam ativadas por estes sons, liberando certos hormônios e ativando processos neuro-químicos que propiciam estados alterados.

Os sons produzidos pelos nativos americanos, ah, aye, eee, etc. tem seus significados místicos. Eu sei de alguns, por exemplo, O Canto das cinco vibrações:

AH - Lavagem. Para limpar e purificar

AYE - ( e ) Para compreender nossa relação com todas as coisas.

EEE - ( i ) Clareza. Para entrar em contato com a Inteligência Divina.

OH - Inocência e curiosidade .

OOO - ( u ) Aquilo que nos leva à presença de Deus.

Os harmônicos vocais, criam mudanças no batimento cardíaco, na respiração, e nas ondas cerebrais da pessoa que os entoa, alterando a consciência e fazendo com que o Xamã se ponha em um estado no qual se torna receptivo a viagens espirituais.

Pode ser que certas porções do cérebro ressoem e sejam ativadas por estes sons, liberando certos hormônios e ativando processos neuro-químicos que propiciam estados alterados.

Eles também podem expandir nossa consciência, trazer ensinamentos ocultos, acalmar, relaxar´, etc. Os cânticos sempre foram usados em todos os processos mágicos e religiosos.

No Perú são chamados de Ícaros. Passo abaixo a tradução da tradição Shipibo, os ayahuasqueiros da Amazônia Peruana, que Mateo Arebalo, me ensinou :

REGULAÇÃO E NIVELACION DE ENERGIAS

MATEO 30/04/93

Mi hermoso canto ( bis )

Emana su energia a si a cielo

A si a mar ou a rio

A si la Tierra

Mi hermoso canto

Del la energia de la Ayauasca

I la Chacruna

Emana su energia para regular e nivelar las energias

De salud bien estar entre

Las mujeres y hombres de esta mariacion

En la Gran mesa de la Ayauasca

Salimos com cuerpo, alma, espírito e mente

Livrando-nos de la mariacion loca

Assim el mundo maraviglioso del Dios

Donde hay y emana las fragrâncias

De las flores maravigiosas del Universo

Que al impregnar-se en uno

Nos dá las energias del conecimento y el saber

Abrindo las puertas del mundo medicinal del la Ayauasca

Donde todo es felicidad, paz e amor

CANÇÃO DA ALEGRIA

Um dos melhores modos para praticar diariamente afirmações é incorporá-las até o "Caminhar da Alegria " (canções) . Assim você se diverte ao ar livre e observa a natureza podendo inserir algumas palavras ou frases de divertimento.

A melodia pode chegar a mente( você poderá fazer uma paródia de uma música conhecida). Cante-a para você mesmo e para os outros em sua volta.

Coloque seu desejo intensamente e elevadas intenções espirituais para a melodia.

Coloque ritmo em cada etapa. Sua canção da alegria será diferente de sua canção de poder, assim, você deliberadamente comporá canções para torná-las afirmações para seu desenvolvimento. A canção de poder pode ter cimente poucas palavras e é desenvolvida pelo subconsciente.

Você poderá cantar sua canção da alegria durante seu caminho, quando estiver dirigindo, ou quando estiver em casa.

Quando a canção torna-se automática, seu inconsciente estará pronto para ajudar a manifestar o que você deseja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blessed Be!